Governo quer reduzir papel do Banco do Brasil no crédito agrícola

MENOS ESPAÇO PARA OS BANCOS PÚBLICOS

Governo quer reduzir papel do Banco do Brasil no crédito agrícola Destaque

Governo quer reduzir papel do Banco do Brasil no crédito agrícola

Resultado de imagem para banco do brasil pronaf

Mais uma medida governamental para acelerar a retirada dos bancos públicos de todos os negócios bancários que geram competição com os privados e preparar a privatização. O governo estuda reduzir a participação do Banco do Brasil no crédito agrícola. A instituição é líder histórica nesse segmento, responsável por 60%, em média, nas últimas seis safras no país, e principal financiador da agricultura familiar. As informações são do jornal Valor Econômico.

De acordo com a reportagem, o banco admite que deve perder participação no mercado. Como principal instituição financiadora do agronegócio brasileiro, o desmonte do BB na área rural fará com que as instituições privadas ganhem terreno e essa transferência de responsabilidade para os bancos privados vai onerar os produtores rurais.

"Queremos fazer com o BB o que estamos fazendo com o BNDES", disse ao Valor o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, referindo-se à missão dada pelo governo para o BNDES reduzir seu tamanho, abrindo mais espaço para atuação de instituições financeiras privadas e para o mercado de capitais. 

A redução do papel do BB no crédito rural é mais uma ação neoliberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, de ataque com vistas ao desmonte do banco. Hoje, o BB é responsável por financiar a agricultura familiar por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que responde por 70% da produção de alimento consumido pelos brasileiros, a juros que variam entre 2,5% e 5,5% ao ano.

“Mais uma decisão desastrosa que agora ameaça concreta, direta e perceptivelmente toda a sociedade. A segurança e a soberania alimentar, o preço dos produtos que vão às mesas dos brasileiros, os mais de 5 milhões de empregos gerados no campo a partir da agricultura familiar, a balança comercial e os empregos/funções desta área de atuação direta e indiretamente gerados no BB... Enfim, um completo e inacreditável absurdo”, denuncia o diretor do Sindicato e funcionário do BB Kleytton Morais. “Não aceitaremos esta tragédia. Nos levantaremos e resistiremos em frente ampla na defesa intransigente dos funcionários e funcionárias, do Banco do Brasil e dos brasileiros", avisa.  

Líder no mercado

A participação do BB no mercado de crédito agrícola já chegou a 61%. Hoje, segundo o BC, a instituição detém 57,4% de participação, considerando o saldo de sua carteira de agronegócio acumulada nos últimos 12 meses encerrados em dezembro de 2018, que é de R$ 188,7 bilhões. Os principais bancos privados (Bradesco, Santander, Itaú e Rabobank), os dois bancos cooperativos (Sicoob e Sicredi) e os demais públicos (Caixa e Banco do Nordeste), juntos, têm 40%.

Da Redação com informações do Valor Econômico