Empregadas da Caixa sofrem assédio para não aderirem à ação dos 15 minutos

Empregadas da Caixa sofrem assédio para não aderirem à ação dos 15 minutos Destaque

Empregadas da Caixa sofrem assédio para não aderirem à ação dos 15 minutos

Denúncias de empregadas da Caixa relatam que gestores estão pressionando as trabalhadoras a não aderirem ao acordo da chamada “ação dos 15 minutos”, que teve ganho de causa favorável ao Sindicato. Os relatos apontam, entre outras áreas, a Gerência de Relações Trabalhistas (GERET) e a Superintendência Regional Brasília Norte (SR Brasília Norte) como fontes de pressão e assédio moral.

O Sindicato ingressou com ações coletivas para toda a categoria, contemplando todas as mulheres do Distrito Federal. A Caixa foi condenada judicialmente a efetuar o pagamento do intervalo, conforme determina o artigo 384 da CLT, procedendo o cumprimento da decisão e alocando recursos para pagamento das respectivas empregadas que preenchem os requisitos.

Em resposta à prática adoecedora, o Sindicato encaminhou ofício cobrando um posicionamento da empresa. Confira o ofício encaminhado à Depes e à Dijur:

A ação coletiva contra a Caixa cobrava o pagamento do valor correspondente a intervalos intrajornadas não concedidos de 2009 a 2015 e beneficia todas as empregadas do DF que receberam horas extras em seus contracheques nesse período. O montante individual é variável, dependendo da quantidade de vezes que cada trabalhadora prorrogou sua jornada de trabalho.

Orientamos as empregadas que se sintam pressionadas a não aderirem ao acordo que entrem em contato com o Sindicato pelo telefone (3262-9090) ou pelo email (centraldeatendimento@bancariosdf.com.br) para mais esclarecimentos. A identidade da bancária será mantida no mais absoluto sigilo.

Joanna Alves
Do Seeb Brasília

Leia mais: