Tentando esconder sua incompetência, presidente do BB insiste na tese de privatizar

Tentando esconder sua incompetência, presidente do BB insiste na tese de privatizar Destaque

Tentando esconder sua incompetência, presidente do BB insiste na tese de privatizar

A cada dia, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, reforça ainda mais sua incapacidade como gestor do maior banco público da América Latina. Para tentar camuflar sua falta de capacidade técnica e política, utilizou mais uma vez da tática de atacar a instituição pública.

Desta vez, durante evento no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (15), o executivo disse que a venda da empresa não está no radar, mas afirmou que o país deveria bater nesta tecla “porque essas companhias estariam melhor na mão do setor privado”.

Embora admita que o país não esteja preparado para a privatização do BB, Novaes não perde uma oportunidade para enfatizar o seu desejo de “um dia” concretizar essa ideia. “Estou convencido de que o Banco do Brasil deveria ser privatizado. No BB, me sinto de mãos atadas. É como se tivesse bolas de chumbo nas pernas ”, disse ele.

O Sindicato classifica como um atestado de incompetência as declarações absurdas e infelizes do presidente do BB sobre os bancos públicos.

“Está claro que Novaes, assim como o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, estão aí apenas para atender os interesses dos bancos privados e dos financistas que visam claramente acabar com os bancos públicos. No caso de Novaes, ele busca cair atirando, reproduzindo o discurso do mercado financeiro privado, já que não demonstra capacidade de gerir o BB”, ressalta o diretor do Sindicato Kleytton Moraes, também funcionário do BB.

O dirigente sindical lembra que Novaes desperta indignação, repulsa, medo e tristeza entre os funcionários da instituição.

Para completar o rol de disparates, recentemente ele criticou os cursos promovidos para combater o assédio moral e sexual nas dependências do banco, “o que evidencia que Novaes também não entende de direitos trabalhistas”, acrescentou Kleytton.

“Em função das constantes demonstrações de total desconhecimento deste senhor sobre o papel de um banco público, sempre colocando em xeque a sua eficiência com base apenas em suas convicções, reforçamos que ele não apresenta credenciais para indicar o que é melhor para a sociedade e para os bancários. Portanto, reiteramos a importância da saída imediata de Rubem Novaes da presidência do BB. Os bancos privados estarão abertos a seus serviços”, cobra o diretor do Sindicato e funcionário do BB Rafael Zanon.

Bancários do DF são contrários à privatização do BB

Em pesquisa realizada entre bancários de todos os bancos de Brasília (inclusive privados), somente 14% dos entrevistados se mostraram favoráveis à privatização do BB.

O Sindicato disponibiliza para essa pequena minoria favorável, inclusive Rubem Novaes, o contato dos recursos humanos dos maiores bancos privados do Brasil e deseja-lhes sucesso.

• Itaú Unibanco: 0800 770 2077 (Central de Pessoas) ou Trabalhe Conosco, pelo https://bit.ly/1KSDkf5
• Bradesco: 4004-4436 ou no Trabalhe Conosco, pelo https://bit.ly/2EdUxgZ
• Santander: (11) 4004-3535 ou no Trabalhe Conosco, pelo https://bit.ly/2HtPCyX

Da Redação