Em mesa de negociação, Caixa demonstra descaso com reivindicações dos empregados

Em mesa de negociação, Caixa demonstra descaso com reivindicações dos empregados Destaque

Em mesa de negociação, Caixa demonstra descaso com reivindicações dos empregados

NEGOCIACAO CAIXA 1204 600X400.jpg

Soluções pífias e respostas prontas. Este é o balanço da rodada de negociação permanente realizada nesta sexta-feira (12), em Brasília, entre a Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa e a direção da empresa. “A reunião foi bem ruim, improdutiva, com debates infrutíferos e sem avanços”, lamenta o diretor do Sindicato Wandeir Severo, que representa a Fetec-CUT/CN na CEE/Caixa. 

Na avaliação de Wandeir, a Caixa não tem a menor intenção de negociar. “Mais uma vez, os representantes da empresa brincaram com a representação dos empregados, com o tempo e com a expectativa de todos”, acrescentou. 

A reunião foi marcada por um protesto contra a redução da participação dos trabalhadores no Conselho Curador do FGTS e a retirada da representação do banco nesta instância, prevista no Decreto nº 9.737/19. 

Confira os temas discutidos na mesa de negociação: 

Intervalo de 30 minutos 

A CEE/Caixa apresentou o modelo de implementação de intervalo de 30 minutos para descanso na jornada de 6 horas. Eles reiteraram a reivindicação dos empregados de que seja optativo (quando não houver hora extra) fazer 15 ou 30 minutos de intervalo. 

Os representantes dos trabalhadores defenderam que o ideal seria que a Caixa tornasse este intervalo estendido como uma opção, nas unidades onde os trabalhadores têm outras condições de trabalho e que podem optar pela manutenção dos 15 minutos, e não impositivo como está sendo implantado. 

A Caixa, no entanto, insiste na intenção de implantar obrigatoriamente para todos os empregados. E anunciou que foi adiada do dia 15 para 22 de abril a implantação do intervalo. 

O tema será retomado na próxima mesa, depois da implantação. 

Agências digitais 

O debate ficou, principalmente, em torno da extrapolação de jornada dos empregados (gerentes gerais) que, segundo denúncias encaminhadas aos sindicatos, chegam a trabalhar 12 horas, sem registro de ponto, e das substituições não remuneradas, devido ao horário de funcionamento estendido. 

A Comissão cobrou o registro de ponto desses trabalhadores. 

Completamente sem acordo, a Caixa insiste que o eventual não deve receber por substituições parciais (apenas parte do expediente). 

CPA 10 E 20 

A Caixa informou que, para eventuais, só irá custear para aqueles que estiverem em banco de habilitados. 

As certificações profissionais CPA 10 e CPA 20 se tornaram condição necessária para quem deseja ingressar ou fazer carreira nos bancos.

Saúde Caixa 

A CEE/Caixa cobrou o compromisso de ativação de comitês de credenciamento e descredenciamento por Gipes e Repes com a participação dos trabalhadores, e com a demanda de também serem responsáveis por receber as reclamações relativas ao plano de saúde. 

O banco informou que até o final da próxima semana encaminhará a relação dos comitês que estão instalados. Para isso, buscará a área gestora para obter concordância. 

Os representantes do banco se comprometeram também a apresentar até a próxima reunião do GT Saúde Caixa, que deve ocorrer em maio, os demonstrativos financeiros mais detalhados do plano de saúde. 

Protesto contra saída da Caixa do Conselho Curador do FGTS 

A CEE/Caixa cobrou o posicionamento do banco sobre o motivo da retirada da representação da Caixa no Conselho Curador do FGTS. 

Os representantes da empresa disseram que o assunto ainda está sendo avaliado pela presidência da Caixa. Ou seja, nada a dizer além do que já foi dito à imprensa. 

Na avaliação dos representantes dos empregados, o presidente da Caixa se sujeita completamente e sem questionar o ministro Paulo Guedes.

Balanço da Caixa 

Os representantes dos trabalhadores também cobraram esclarecimentos sobre o prejuízo registrado no 4º trimestre de 2018, que impactou negativamente o balanço e a PLR. 

As únicas informações da Caixa foram as que já estão publicadas no site da empresa.  

Contratação de empregados 

Sobre a reivindicação de contratação de mais empregados e a cobrança do posicionamento da empresa sobre o fechamento de agências, nada foi definido. 

A Caixa se utilizou de muito discurso, mas não apresentou nada de concreto. Enquanto isso, a rotina é de sobrecarga de trabalho nas unidades. 

Em reunião com as entidades representativas dos trabalhadores, o presidente do banco assumiu o compromisso de fazer novas contratações até atingir o teto, estabelecido pelo SEST, de 87 mil empregados. 

PDV 

Sobre o Programa de Desligamento Voluntário, os representantes da empresa dizem que não há nada de oficial. 

Dotação máxima de hora extra 

A CEE/Caixa cobrou o fim desta sistemática e a retirada do limite. 

A Caixa disse que não irá retirar o teto por questão de economia. 

PSI 

Quanto ao impedimento de participação de empregados em unidades 'não doadoras', a Caixa não aceita mudanças. 

Faltas das greves gerais a desligados

Aos que se aposentaram ou saíram da empresa antes do acordo de retiradas dos reflexos funcionais negativos, resta o prejuízo. 

A Caixa afirma que não tem o que fazer, porque eles não têm mais ligação alguma com a empresa. 

Questionamentos sobre valores divergentes de PLR 

Com relação a este item, casos específicos podem ser enviados pelos canais internos ou via sindicatos, e serão avaliados um a um pela Geret e Cepes (Centralizadora Nacional de Recursos Humanos). 

Tesoureiros 

Os representantes dos trabalhadores reclamaram do número reduzido de tesoureiros e caixas, o que está levando tesoureiros a abrir caixas e outros problemas, como de redução de caixa forte e penalização dos trabalhadores que descumprem as normas relativas às suas atribuições por seguirem determinação e ordem dos gestores. 

Segundo a Caixa, esse assunto continua sendo objeto de estudos pela direção. E aguardando decisão da nova cúpula da empresa. 

A CEE orienta os sindicatos a realizarem reuniões com os tesoureiros para debater propostas de melhorias de condições de trabalho, a serem encaminhadas à mesa de negociação. 

Abertura X fechamento de unidades 

Conforme declarações do presidente da empresa, para este semestre não há previsão de abertura ou fechamento de agências. 

Mudanças nas áreas de marketing 

A empresa diz que está sendo revista a política, mas não há reestruturação envolvendo pessoas. 

Férias 

Os representantes da Caixa abordaram este assunto. E falaram sobre a possibilidade de parcelamento das férias em três vezes. Porém, não houve avanço. 

Conecef 

Em reunião preparatória da negociação, realizada nesta quinta-feira (11), a CEE/Caixa iniciou os preparativos do 35º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), que será realizado em São Paulo, nos dias 15 e 16 de junho.

Da Redação